28 de maio de 2018

Crónica da Corrida da Feira de Maio na Moita - 26 de Maio de 2018

Integrada na Feira de Maio, a praça de touros Daniel Nascimento, na Moita, recebeu neste sábado a sua tradicional corrida de touros.

Registou-se uma fraca entrada de público. O que nos deixa sempre tristes. Para tal não será alheio o facto das alterações no cartaz.
Os anunciados Miguel Moura e Marcos Bastinhas, foram substituidos por Filipe Gonçalves e David Gomes respectivamente.
Foi o cartel definitivo composto por Gilberto Filipe, Filipe Gonçalves, Duarte Pinto, Parreirita Cigano, David Gomes, e António Prates.

Foram chamados a pegar a corrida os grupos da terra, Amadores da Moita e Aposento da Moita. Capitaneados por Pedro Raposo e José Maria Bettencourt. Uma sã rivalidade que "aqueceu" o público presente. Pena não se ver noutros locais com mais de um grupo de forcados.

Os touros foram da ganadaria de Veiga Teixeira com a divisa rubra e negra. Touros com apresentação e sem darem problemas de maior. Rijos, sem se fecharem em tábuas, e a pedir esforço a cavaleiros e forcados.

Sobre as actuações dos cavaleiros nada de especial há para dizer. Nenhum se aplicou, quanto a nós, o suficiente para que acontecesse um triunfo. Foram todos muito líneares, sem grandes momentos de emoção. Gilberto Filipe teve ferros de boa nota, mas não foi a sua melhor tarde. Talvez fruto do seu esforço na equitação de trabalho, onde nos orgulhou com a medalha de ouro que ganhou.
Filipe Gonçalves também com normalidade. Tentou chegar ao público como é hábito, mas não na sua forma habitual.
Duarte Pinto andou regular. Com ferros cravados de boa forma.
A Parreirita Cigano e David Gomes, faltou a inspiração para fazer mais e melhor.
António Prates com toques consecutivos na montada foi crescendo. Destacando-se os palmitos com que encerrou a sua actuação.

Os triunfadores da tarde foram os dois grupos de forcados. Grandes pegas aos de Veiga Teixeira, que sem "fazerem mal", pediam contas e empurravam com alguma violência. Excepção para os dois ultimos, que deram que fazer ao rapazes das jaquetas de ramagens. Não sendo toiros fáceis pediram meças ao serem pegados. Fazendo com que se somassem um sem numero de tentativas. Mas o querer e o espírito de corpo dos forcados, fez com que não levassem a melhor sobre os grupos presentes.
Foto de Fabio Silva.
Assim pegaram há primeira tentativa pelos Amadores da Moita, Fábio Silva, e Luis Lourenço. E pelo Aposento da Moita, o cabo José Maria Bettencourt, e Leonardo Matias.
Depois vieram então os "problemas", tentativas e mais tentativas para que as pegas fossem consumadas. Depois de algumas dobras, pegou Pedro Raposo, o cabo dos Amadores da Moita, à quinta tentativa. Por seu turno pelos do Aposento, foi Rúbem Serafim à sexta tentativa.
Com esta competição dos grupos da terra, estava em jogo uma taça para a melhor pega. Faziam parte do júri Francisco Marques "Chalana", Fernando Marques, e Francisco Costa. 
Decidiu o júri, e muito bem, atribuir o prémio ao forcado Fábio Silva, dos Amadores da Moita, pela sua prestação na primeira pega da tarde.

Dirigiu a corrida Diogo Tavares, assessorado pelo médico veterinário Dr. Carlos Santos, e ainda pelo cornetim José Henriques.


António Costa Pereira


Foto:D.R.
Compartilhar:
Anterior Proxima Inicio

0 comentários:

Enviar um comentário

Scroll To Top