19 de setembro de 2017

Luís Peças Demonstra Apoio ao Seu Irmão António Peças

Foto de Luís Peças.
O ex-forcado Luís Peças irmão do também ex-forcado e atual médico do INEM António Peças que recentemente publicou um texto na sua página de “Facebook”(link) onde pôs o dedo na ferida sobre as enfermarias e assistências médicas nas praças de toiros que tem causado algum mau estar entre o seio taurino, publicou hoje também na mesma rede social um texto (que transcrevemos mais abaixo) de apoio ao seu irmão e onde também reforça os parcos meios de assistência nas praças de toiros e onde aproveita também para deixar algumas perguntas no ar.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

“Mano, foi com incomensurável orgulho, mas sem surpresa, que te vi saltar a trincheira sozinho e bater as palmas a mais um “toiro” que se preparava para “ir vivo para dentro”… Não disponho da contabilidade, mas li por aí que nos últimos anos foram uma dezena deles, jovens românticos, que partiram “vivos”! E que nos 2 últimos se poderia ter feito mais qualquer coisinha para evitar a “desonra”…
Num turbilhão e mistura de raiva, tristeza, impotência, amargura, solidariedade, não me contive… não é que precises, tu resolves a papeleta sozinho, mas que Diabo, uma 1.ª ajudazinha neste deserto de valores, de valentões, de impostores, de vaidosos, de oportunistas, de “chicos espertos”… Tenho pena de ver a “praça” inteira, de pé, a aplaudir-te, uns tantos a darem-te as tradicionais palmadinhas nas costas, mas, depois, tudo continuar na mesma!
Lá na Praça, como na Vida, somos diferentes, graças a Deus; tu mais artista, eu mais impulsivo; tu mais cérebro, eu mais bruto. Por isso gostamos tanto um do outro. Não estarei certamente à altura de te dar a 1.ª ajuda que mereces, mas, olha, cá vai!

Mas afinal, para que serve uma Associação Nacional de Grupos de Forcados (ANGF)?
Para exigir determinada verba “tabelada” aos empresários e fiscalizar os Grupos associados se cumprem essa questão? Eu não creio que haja dinheiro suficiente, por muito que seja, que pague o “trabalho” de qualquer Grupo de Forcados; por isso somos AMADORES! Mas existem outros pontos a discutir ou ser examinados, pelos quais a ANGF muito pouco se debateu (ou nada…) que podem ser fulcrais aquando da actuação de um Grupo de Forcados: uma enfermaria dignamente apetrechada ou uma ambulância hospitalizada à porta, umas bandarilhas "à espanhola”, um seguro obrigatório para os Forcados,…

Mas não, mesmo após a mais recente tragédia que envolveu o Fernando Quintela, um dirigente da ANGF, José Luís Gomes, afirma que "cada vez mais, os empresários têm que ter mais respeito pelos forcados", acusando muitos promotores de evitarem pagar honorários aos grupos! Caramba…. Mas o respeito pelos Forcados passa pelos honorários? Mais nada? Ah, desculpa, defende este dirigente da ANGF, em declarações à agência Lusa, que "as enfermarias têm que estar devidamente apetrechadas com suportes, mesmo à porta, para este tipo de casos (colhidas). Era importante ter logo ali um veículo que estabilizasse o forcado"! Mas José Luís Gomes, é a ti e à ANGF, como única defensora dos Forcados Amadores, que compete, há anos, fazerem essas exigências! Fizeram? Não! Fazem? Não! Farão?...

E já agora, triste, muito triste mesmo, o “sacudir de água do capote”, por parte da ANGF, aquando da morte do Pedro Primo por não pertencer a um Grupo associado!
Estou incrédulo… Associação! Vou a um dicionário e vejo “união de esforços de várias pessoas para prosseguir um fim comum”! Há, em Portugal, um único Forcado tetraplégico (não são 10 ou 20, é 1, o Nuno Carvalho “Mata”). O que fez a ANGF por ele? Pagou alguma vez uma factura de um medicamento, de uma consulta médica? Uma obsoleta cadeirinha de rodas? Promoveu algum festival taurino? Contribuiu com alguma magra verba mensal para as suas despesas correntes?
Quando numa qualquer Associação a principal preocupação é o vil metal e, neste caso concreto da ANGF, não se vislumbraram medidas focadas concretamente na segurança dos seus associados, muita dúvida paira no ar! Para onde vai o dinheiro que cada Grupo de Forcados associado da ANGF envia após cada corrida (para quem não saiba, cada Grupo associado envia uma percentagem do seu cachet para a ANGF…)?

De médico e de louco, diz o Povo, todos temos um pouco! Que me desculpem os meus colegas “médicos” e Forcados José Luís Gomes e Paulo Pessoa de Carvalho (eminentes dirigentes de associações portuguesas de Forcados e empresários) por estar em desacordo com eles, mas, o Pedro Primo e o Fernando Quintela, no caso concreto deles, com uma assistência médica pronta, rápida e eficiente, eu, Luís Peças, afirmo: TINHAM SOBREVIVIDO!
Soluções??? Porque não ver como funciona o Fundo de Assistência dos Toureiros Portugueses (o exemplar Senhor José Carlos Amorim, um excelente exemplo vivo, pode-vos dar uma ajuda)? E que tal a ANGF exigir a tal enfermaria dignamente apetrechada ou uma ambulância hospitalizada à porta, as bandarilhas "à espanhola” e um seguro obrigatório para os Forcados? Não vos ouvem??? Faça a ANGF uma “greve” e vão ver como se resolve o assunto rapidamente…
Desculpa Mano a tão fraquinha e mal preparada 1.ª ajuda que te dei, a correr, que o raio da vidinha para quem trabalha honestamente é a correr. Contrariamente a esses senhoritos empresários e dirigentes da ANGF (com honrosas e exemplares excepções) tenho de ir ainda trabalhar, já, agora, agora mesmo! Tal como tu! Pena é que continuem a ser jovens inocentes, românticos, que lhes continuem a pagar contas exorbitantes em repastos faraónicos e a ajudar a viverem “luxuosamente”…

Luís Filipe Ponte Peças”
Compartilhar:

A Noite e Dia da Ùltima Despedida a Fernando Quintella

A noite de ontem segunda-feira dia 18 de Setembro de 2017 foi a noite em que o largo da Igreja do Monte de Caparica foi pequeno para todos aqueles que quiseram assistir à missa em memória do forcado Fernando Quintella e realizar um último ato simbólico de despedida deste Grande Forcado que no passado sábado dia 16 faleceu vítima da grave colhida 8hemorragias internas) que tinha sofrido no dia anterior sexta-feira dia 15 ao tentar concretizar uma pega de caras à segunda tentativa a um toiro da Ganadaria Prudêncio na corrida de toiros onde o seu Grupo de Forcados os amadores de Alcochete) estava anunciado.A emoção e a saudade tomou conta das centenas de pessoas que ali se deslocaram para um último adeus.

O funeral realizou-se hoje terça-feira dia 19 pelas 14 horas no Cemitério lisboeta dos Prazeres onde foi sepultado no jazigo de família, onde ai sim mais uma vez se notou a união e a força das largas centenas de pessoas da tauromaquia que se reuniram para prestar uma última homenagem ao Fernando, força e união que tanta vez faz falta para se defender a tauromaquia dos seus inimigos.

O Carlos Caetano (Cá Jó) a Daniela Caetano e o António Costa Pereira (Tôpe) a equipa do “Pátio de Quadrilhas” com este relato escrito do que viu nas cerimónias fúnebres despede-se assim do amigo Quintella!

Descansa em paz Fernando Quintella!
Compartilhar:

Tribunal dá Razão à Tauromaquia

Decisão Contraria a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira
Tribunal dá Razão à Tauromaquia
Resultado de imagem para tribunalO Tribunal Administrativo e Fiscal de Aveiro decidiu manter uma decisão inicial que obrigou a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira a licenciar a instalação de uma praça amovível para a realização de uma corrida de touros, rejeitando o recurso que esta tinha interposto.

A corrida em causa estava agendada para o início de maio, em Lourosa, e teve de ser adiada porque não obteve o licenciamento necessário e de forma atempada por parte da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira. O promotor do espectáculo, a empresa Suprema Rotação, recorreu para o tribunal que veio agora dar-lhe razão.

A decisão do tribunal demonstrou a ilegalidade cometida pela autarquia de Santa Maria da Feira, cujo presidente entendeu que uma decisão pessoal se deve sobrepor ao Estado de Direito.

Os municípios não têm qualquer poder ou autoridade sobre a realização de corridas de touros, sendo ilegal qualquer tentativa de proibição ou impedimento desta atividade cultural, definida pelo Estado como parte integrante do património cultural português.

A Prótoiro congratula-se com a decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Aveiro. Em breve a população de Santa Maria da Feira poderá voltar a usufruir de um espectáculo cultural que aprecia.
Compartilhar:

18 de setembro de 2017

Joaquim Grave Homenageia Fernando Quintella

Foto de Pátio de Quadrilhas.O conhecido ganadeiro e ex-forcado Dr. Joaquim Grave publicou na sua página de "Facebook" um texto onde homenageia o forcado Fernando Quintella que recentemente faleceu vitima de uma fatal colhida em praça.

Texto que transcrevemos de seguida:

"FERNANDO QUINTELA

Fernando, levaste contigo a fórmula de uma vida diferente que não domestica a vida e a morte. Essa fé tão pura que guardavas no Deus que nos alimenta numa Missa ou no redondel de uma praça de toiros. Recusaste esta sociedade que vive de costas para a dor e que esconde o sangue convencida que assim as feridas não existem. Recusaste esta sociedade de conforto globalizado que decide como, quando, onde e porque se tem de morrer. E o que é pior, que decide como, onde, quando e porquê e até com quem se há-de viver. Não quiseste e fizeste o teu caminho devagar, que as pressas são dos maus toureiros, viveste as tuas paixões sem alaridos, discretamente, mas intensamente não escondendo o que esta sociedade oculta porque não domina, porque lhe dá medo: a vida e a morte.
Morreste do que morrem os toureiros às vezes. De um ataque de paixão...que te pôde matar, mas que de certeza te fez viver. Obrigado.

Descansa em paz.
Joaquim Grave"
Compartilhar:

Declarações Polémicas do Ex-forcado e Atual Médico do INEM António Peças

Foto de perfil de Antonio Peças
Deixamos aqui as declarações polémicas apelidadas de "Dedo na Ferida" do ex-forcado e atual médico do INEM António Peças depois de no prazo de duas semanas acontecerem duas trágicas mortes as dos forcados Pedro Primo (G.F.A. de Cuba) e Fernando Quintella (G.F.A. de Alcochete) vitimas de graves colhidas (hemorragias internas) ao tentarem cada um deles pegar um toiro.

----------------------------------------------------------

"As mortes dos forcados Pedro Primo e Fernando Quintela deixaram consternados o país em geral e os aficionados em particular.


Confesso que, enquanto ex-forcado e médico cirurgião, me sinto particularmente sensibilizado e revoltado com a perda destas duas vidas.

É precisamente por esse motivo que, na véspera do funeral do Fernando Quintela, após muitas horas de reflexão, decidi escrever este texto. Não o poderia deixar ir embora sem o escrever.

Não posso calar a minha indignação por tudo aquilo que, no que à segurança dos artistas em geral e dos forcados em particular, nomeadamente às condições (in)existentes nas enfermarias da quase totalidade das nossas praças de touros, diz respeito.

Abordo este assunto porque dele tenho vasto conhecimento: fui forcado durante dez anos, participei em várias reuniões da ANGF em que este assunto foi ventilado e já por diversas ocasiões fui médico de serviço nas enfermarias de várias praças de touros fixas e nalgumas praças de touros móveis.

Recordo-me perfeitamente de ter participado em várias reuniões da ANGF, algures entre 2001 e 2005, enviado como representante do então Cabo (Hélder Queiróz) do meu grupo de forcados, o Aposento da Moita do Ribatejo.

Enquanto médico o meu único foco foram sempre a questão da segurança (as “bandarilhas à espanhola”) e as condições das enfermarias das praças de touros. Todos os participantes nessas reuniões não me deixarão mentir quando tal afirmo. E todos sabem perfeitamente qual a importância que na altura foi dada às minhas preocupações. Alguns dos então dirigentes da ANGF chegaram, em mais do que uma ocasião, a solicitar ao Hélder Queiróz que não me enviasse às reuniões, devido ao desconforto que constituía a minha abordagem repetida às questões acima referidas.

Hoje, passados mais de dez anos, pergunto: o que foi feito nesse sentido?

Tendo o Decreto-Lei n.º 89/2014, que aprova o Regulamento do Espectáculo Tauromáquico, sido aprovado no dia 11/6/2014, quem é que o cumpre no que às competências do médico e do enfermeiro diz respeito? E quem é que o cumpre no que ao material que OBRIGATORIAMENTE tem que estar disponível nas enfermarias?

Há mais de dez anos que sei do que falo e de todas as vezes que fui médico de uma enfermaria numa praça de touros fixa ou numa praça portátil não só cumpri o decretado no que ao material diz respeito como, inclusivamente, fui portador de material acrescido que penso poderá ser necessário.

Que o digam os senhores inspectores do IGAC com quem, em Maio, me cruzei à tarde em Coruche e à noite na Moita do Ribatejo.

Sou cirurgião, possuo a competência em emergência médica pela Ordem dos Médicos, sou médico de VMER e dos helicópteros de emergência médica do INEM.

Os enfermeiros que comigo trabalharam, salvo pontuais excepções, possuíam as competências exigidas no Decreto-Lei!

E sempre me fiz acompanhar pelo José Ribeiro da Cunha, ex-cabo do grupo de forcados de Coruche, tripulante de ambulâncias de emergência médica do INEM e possuidor de um grande à vontade dentro de praça. Esta situação, por muito descabida que possa parecer a alguns, é fundamental em determinadas situações, nomeadamente porque o primeiro contacto com a vítima deve ser realizado por pessoas conhecedoras das regras fundamentais da abordagem a um traumatizado.

Quem já nos viu trabalhar observou que nos dirigimos de imediato para dentro da praça, para junto da vítima, ao contrário daquilo que se verifica na grande maioria das situações, ou seja, a equipa médica a aguardar pelas vítimas dentro da trincheira ou na enfermaria. Os médicos sabem que, nas situações graves, todos os segundos contam!

Posto isto, quando leio as afirmações dos senhores José Luís Gomes e Paulo Pessoa de Carvalho não posso deixar de ficar incrédulo!

Não têm conhecimento do referido Decreto-Lei???

O Sr. José Luís Gomes foi cabo do grupo de forcados amadores de Lisboa durante muitíssimos anos, é pai do actual cabo (que, por sinal, já sofreu uma lesão gravíssima enquanto pegava), é dirigente da ANGF e afirmou, passo a citar, "as enfermarias [praças de toiros] têm que estar devidamente apetrechadas com suportes, mesmo à porta, para este tipo de casos (colhidas). Era importante ter logo ali um veículo que estabilizasse o forcado"?? Dedo na ferida…?!? O que era importante era fazer cumprir o Decreto-Lei!!! Lá está pasmado tudo aquilo que uma enfermaria tem, OBRIGATORIAMENTE, que possuír! E não se cumpre porquê? E o que fez a ANGF para que seja cumprido? Ou o que fez o Sr. José Luís Gomes para que seja cumprido nas praças onde organizou corridas de touros? Ou, porque em Cuba nenhum dos grupos era associado, o que aconteceu não é da incumbência da ANGF? Continuem-se a discutir os vetos, que é assunto muito mais importante…!

Quanto ao Sr. Paulo Pessoa de Carvalho, que não é médico, com que conhecimento afirma que “infelizmente os acidentes que aconteceram, não era uma enfermaria por melhor que fosse que iria salvar uma vida. Lamentável estas mortes que a todos nos marcaram, mas quis o destino que as colhidas tivessem tido consequências para as quais a medicina e a capacidade de intervenção humana, não está preparada para uma resposta como gostaríamos”?? Pergunto: quanto tempo demorou o oxigénio a chegar à enfermaria? E o aspirador de secreções? E quanto tempo demorou a chegar o apoio diferenciado (VMER de Almada) à praça de touros da Moita?? Vai-se exigir a presença de uma VMER em cada praça de touros porque o Regulamento não é cumprido? Ou vamos continuar a deixar que o “destino” se encarregue de exercer a sua função??

E como explica que, perante a questão “será que se descurou a segurança dos intervenientes num espetáculo tauromáquico?” tenha podido responder “não acho de forma alguma que isso tenha acontecido, posso mesmo dizer que aconteceu o contrário, a segurança cada vez mais está e esteve neste caso, na ordem do dia. Evoluiu-se muito mesmo, mas não podemos esquecer que esta é uma atividade de enorme risco e por mais que a prevenção seja boa, os acidentes graves acontecem infelizmente”? Evoluiu-se?? Nas enfermarias e na exigência das competências das equipas médicas?? A sério?? E o que fez a Associação Portuguesa de Empresários Tauromáquicos, da qual o Sr. Paulo Pessoa de Carvalho é presidente, para que as medidas obrigatórias fossem implementadas??

Contam-se pelos dedos de uma mão os empresários que se disponibilizaram a contratar os nossos serviços! 300 ou 400€ são uma exorbitância! Mas depois diz-se que uma vida não tem preço...

Não parecerá estranho que tenham morrido mais forcados em Portugal do que matadores de touros em Espanha nos últimos anos?? Principalmente sabendo todos nós da gravidade de muitas das colhidas sofridas pelos matadores de touros naquele país?! Será obra do “destino”, garantidamente…!

Parece-me curioso que, segundo parece, estando em curso uma queixa à Ordem dos Médicos sobre a colega que fez afirmações completamente lamentáveis sobre a morte do Pedro Primo (e eu não poderia estar mais de acordo com a referida iniciativa!) ninguém ainda tenha adoptado semelhante conduta relativamente aos médicos que colocam uma vinheta comprovando a existência das condições exigidas no Decreto-Lei n.º 89/2014!! Parece-me gravíssimo que tal suceda! E penso que, mais cedo ou mais tarde, a Ordem dos Médicos, o Ministério da Saúde ou o IGAC terão que tomar medidas objectivas sobre este escândalo.

Estou consternado, repito, com a morte do Pedro e do Fernando.

Mas mais ainda com o “sacudir a água do capote” que se constata por parte de quem tantas responsabilidades deveria ter, com a inoperância das entidades responsáveis por fazer cumprir o Regulamento e, pelo andar da carruagem, com a certeza de que, se o “destino” assim o entender, mais Pitós, Primos e Quintelas continuarão a ir-se embora sem que nada de concreto seja feito para o tentar evitar…

É esta a forma como se trata um dos espectáculos culturais que mais público arrasta e que mais receitas gera ao país!

Pobrezinha tauromaquia a nossa!!"
Compartilhar:

Cerimónias Fúnebres de Fernando Quintella

As cerimónias fúnebres do forcado Fernando Quintella do G.F.A. de Alcochete que na passada sexta-feira dia 15 de Setembro foi fatalmente colhido quando tentava realizar uma pega de caras a um toiro da Ganadaria Prudêncio na Feira Taurina da Moita 2017 têm início hoje segunda-feira dia 18 com o velório a realizar-se na Igreja do Monte da Caparica havendo uma missa pelas 21:30 horas, prosseguindo amanhã dia 19 terça-feira pelas 12 horas uma missa de corpo presente na mesma igreja seguindo depois os restos mortais do malogrado Fernando Quintella para o Cemitério Lisboeta dos Prazeres onde se realizará o funeral pelas 14 horas.
Compartilhar:

17 de setembro de 2017

16 de setembro de 2017

David Gomes Corta 4 Orelhas em Brazatortas (Espanha)

Foto de Paco Duarte.O cavaleiro praticante português da Malveira David Gomes cortou um total de 4 Orelhas na corrida mano-a-mano em que participou hoje sábado dia 16 de Setembro de 2017 com o rejoneador espanhol Ruben Marin em Brazatortas (Espanha) frente a novilhos da Ganadaria portuguesa de Couto Fornilhos e da espanhola Santa Teresa.
David Gomes teve que matar os quatro toiros da corrida depois do seu companheiro de cartel se ter lesionado ao sofrer uma aparatosa queda do cavalo no primeiro toiro do seu lote.

David Gomes - Orelha
David GomesOrelha com petição de segunda orelha
David GomesVolta
David GomesDuas Orelhas com petição de rabo
Compartilhar:

Paulo Jorge Santos em Ombros em Villanueva del Campo (Castilla y León/Espanha)

O cavaleiro português de Vila Franca Paulo Jorge Santos que hoje dia 16 de Setembro de 2017 toureou em Villanueva del Campo (Castilla y León/Espanha) frente a toiros da Ganadaria de Sepúlveda de Yientes ao lado do rejoneador espanhol Óscar Borjas cortou três orelhas o que lhe permitiu sair em ombros pela porta da praça.

Paulo Jorge Santos Duas Orelhas / Orelha
Óscar Borjas – Duas Orelhas e Rabo / Duas Orelhas e Rabo
Compartilhar:

Missa em Memória de Fernando Quintella - 17 de Setembro de 2017

Amanhã domingo dia 17 de Setembro de 2017 será celebrada uma missa às 11:30 horas na Igreja Matriz de Alcochete em memória do recentemente falecido forcado do G.F.A. de Alcochete Fernando Quintella (16/09) quando tentava executar uma pega de caras a um toiro da Ganadaria Prudêncio onde veio a ser brutalmente ferido de morte com graves hemorragias internas na terceira e última corrida (15/09) da Feira Taurina da Moita 2017.
Que descanse em paz!
Compartilhar:

Ganadarias Murteira Grave e Ascensão Vaz Triunfam na Moita

Realizou-se ontem sexta-feira dia 15 de Setembro de 2017 o tradicional Concurso de Ganadarias inserido na Feira Taurina da Moita onde estava em disputa o Troféu Bravura e Apresentação disputado pelos toiros das divisas de Veiga Teixeira, Fernandes Castro, Murteira Grave, Prudêncio, António Silva e Ascensão Vaz que foram lidados pelos cavaleiros João Moura Jr., João Telles Jr. e Francisco Palha fazendo parte também do cartaz os Grupos de Forcados Amadores de Évora e Alcochete.
Prémio BravuraMurteira Grave
Prémio ApresentaçãoAscensão Vaz
Compartilhar:

Prótoiro Presta Homenagem ao Forcado Fernando Quintella

Foto de Touradas.
Homenagem da ProToiro ao forcado Fernando Quintela

A Tauromaquia volta a ficar de luto e a Prótoiro lamenta profundamente a morte do forcado Fernando Quintela, dos Amadores de Alcochete, prestando solidariedade aos seus familiares e amigos.

A coragem, superação e solidariedade são qualidades intrínsecas da cultura tauromáquica e sempre estiveram presentes na pessoa e no forcado de excepção que foi Fernando Quintela.

Os forcados são um exemplo para todos nós, mostrando-nos como devemos enfrentar a vida. Exercem a sua arte de forma gratuita e sabendo que estão a arriscar a própria vida. Essa entrega à tauromaquia merece o respeito de todos e, neste momento em especial, deixamos uma homenagem sentida a quem ficará para sempre associado à defesa de uma das mais nobres representações da cultura portuguesa.

ProToiro
Compartilhar:

Tauromaquia de Luto Por Fernando Quintella (Forcado do G.F.A. de Alcochete)

A tauromaquia mais uma vez encontra-se de luto pelo falecimento do forcado Fernando Quintella de 26 anos do Grupo Forcados Amadores de Alcochete, que não resistiu aos ferimentos causados pela grave colhida que sofreu ontem sexta-feira dia 15 de Setembro de 2017 na terceira corrida da Feira Taurina da Moita quando tentava executar a quarta pega da noite a um toiro da Ganadaria Prudêncio.
Fernando Quintella foi de imediato assistido na enfermaria da Praça de Toiros sendo de seguida transportado para o Hospital Lisboeta de São José onde veio a falecer esta manhã dia 16.
Foto de João Machacaz.
Fernando Reynolds Quintela nasceu em Lisboa, a 21 de Agosto de 1991 fardando-se pela primeira vez em 21 de Julho de 2008 em Mont de Marsan, França pela formação do Grupo de Forcados Amadores de Alcochete (aos 17 anos).

Não se sabe ainda as datas e locais das cerimónias fúnebres.
A equipa do “Pátio de Quadrilhas” endereça os mais sentidos e sinceros pêsames a toda a família, amigos e restantes elementos do G.F.A. de Alcochete.
Que descanse em Paz!!
Compartilhar:

15 de setembro de 2017

Ordem de Lide e Quadrilhas para a 3ª Corrida da Feira Taurina da Moita - 15 de Setembro de 2017

1º. João Moura Jr - toiro nº 522, 500 kg, ganadaria: Veiga Teixeira
Quadrilha: Diogo Malafaia, Benito Moura

2º. João Ribeiro Telles - toiro nº 3, 470 kg, ganadaria Fernandes de Castro
Quadrilha: Nuno Oliveira, Duarte Alegrete

3º. Francisco Palha - toiro nº 80, 480 kg, ganadaria Ascensão Vaz
Quadrilha: Jorge Alegrias, Joaquim Oliveira

4º. João Moura Jr - toiro nº 124, 530 kg, ganadaria Prudêncio
Quadrilha: Diogo Malafaia, Benito Moura

5º. João Ribeiro Telles - toiro nº 135, 515 kg, ganadaria Murteira Grave
Quadrilha: Nuno Oliveira, Duarte Alegrete

6º. Francisco Palha - toiro nº 9, 535 kg, ganadaria António Silva
Quadrilha: Jorge Alegrias, Joaquim Oliveira

Director: Rogério Jóia
Veterinário: Jorge Moreira da Silva
Compartilhar:

Pedro Salvador Volta às Arenas em 2018

Foto de Pátio de Quadrilhas.
O cavaleiro português Pedro Salvador retirado das arenas à cerca de dois anos anunciou na sua página de “Facebook” que voltará a tourear na próxima temporada (2018).

Comunicado:
"Amigos, amigas, e aficionados(a). Quero vos comunicar, que reapareço para o ano que vem!
E mais não digo... Vão mentalizando os vossos corações...
Obrigado pelos vossos incentivos, e todo o carinho e amizade!
Beijinhos e abraços"
Compartilhar:

Picador Português Distinguido em Andorra (Teruel/Espanha)

Foto de Simao Pedro Neves.O picador português Simão Pedro Neves foi distinguido há momentos como o melhor picador da Feira de Taurina de Andorra em Teruel (Espanha) quando atuava às ordens do espada espanhol Álvaro Garcia frente a um toiro da prestigiada Ganadaria Prieto de la Cal. 
Compartilhar:

Projecto "Tauromaquia, Património Cultural de Portugal" Aprovado

TOURADAS VENCEM ORÇAMENTO PARTICIPATIVOO projecto "Tauromaquia, Património Cultural de Portugal" foi um dos dois projectos nacionais aprovados, como se pode ver pelo comunicado que se segue da TTP.

Exmos Senhores e Senhoras

A PROPOSTA QUE UM GRUPO DE AFICIONADOS, EM NOME DA TTP, CANDIDATOU AO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO GOVERNO, COM O NOME "TAUROMAQUIA, PATRIMÓNIO CULTURAL DE PORTUGAL", FOI UM DOS DOIS PROJETOS DE ÂMBITO NACIONAL APROVADOS.

O projecto "Tauromaquia, Património Cultural de Portugal" visa dar início ao processo de inventariação e classificação dos elementos relevantes que caracterizam a cultura tauromáquica (registo no inventário nacional do PCI) implicando o trabalho de especialistas. O projecto envolve o trabalho de 5 elementos (dois antropólogos, um historiador, um sociólogo e um economista), durante dois anos, que possam: 1. Apoiar os municípios com atividades taurinas nos seus esforços para proceder ao registo das expressões tauromáquicas presentes no seu território no inventário nacional do PCI - Património Cultural Imaterial de Portugal; 2. Promover o levantamento dos elementos de referência cultural tauromáquica presentes em territórios não localizados nos referidos municípios; 3. Reconstruir a componente nacional da cultura tauromáquica, isto é, dos seus elementos que não se reduzem aos territórios municipais, tendo presença e relevância transversal a todo o país. 4. Elaborar conteúdos e reunir a documentação necessária para registar, pelo menos, duas das práticas taurinas em território nacional, no inventário nacional do PCI. O projecto terá a duração de 24 meses e tem um investimento de 200.000,00 €.

“Os promotores querem em primeiro lugar felicitar o governo por esta iniciativa, que permite aos cidadãos propor ideias e votar diretamente nos projetos da sua preferência.
Os promotores sentem orgulho por ter participado no conjunto de 599 projetos candidatos, todos eles referentes a ideias e intenções de grande mérito. Em particular salientam a predominância dos projetos na área da cultura e da valorização do património, o que revela o sentimento presente nos portugueses sobre a importância dos símbolos, valores e referências que estruturam as suas identidades.
Os promotores sentem, ainda, uma enorme satisfação por terem sido um dos dois projetos de âmbito nacional a ser aprovados, o que lhes permite ajudar a concretizar um objetivo importante para esse traço de inegável relevância na cultura popular portuguesa que é a tauromaquia, valorizando-a, promovendo-a e defendendo-a de ataques traiçoeiros e perseguições fanáticas de que tem sido alvo.

Os promotores querem, por fim, agradecer à Protoiro e a todos os que promoveram e votaram neste projeto, tornando possível a sua eleição.
Agora iniciar-se-á o trabalho com o Ministério da Cultura para concretização do projeto. Estamos prontos para continuar a defender a Festa de Toiros e todos os valores humanistas que encerra. Queremos que mais pessoas se envolvam, e se envolvam mais. Em particular, esperamos um maior empenho dos empresários taurinos, dos toureiros, dos ganaderos, da imprensa especializada e de todos os aficionados que passam a ter à sua disposição a melhor ferramenta que lhes foi até hoje proporcionada para defender a Festa de Toiros que todos amamos.

O primeiro subscritor do projeto e Presidente da Direção da Associação de Tertúlias Tauromáquicas de Portugal
Luís Capucha”
Compartilhar:

Cerimónias Fúnebres de José Pinto (Ex-Forcado do G.F.A. de Alcochete)

Foto de Forcados Amadores de Alcochete.As cerimónias fúnebres de José Pinto ex-forcado fundador do Grupo Forcados Amadores de Alcochete que faleceu ontem dia 14 vítima de doença prolongada, realizam-se hoje dia 15 de Setembro de 2017 pelas 16 horas em Alcochete.
Compartilhar:

14 de setembro de 2017

Ordem de Lide e Quadrilhas para a 2ª Corrida da Feira Taurina da Moita - 14 de Setembro de 2017

1º. António Telles - toiro nº 516, 660 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: João Ribeiro “Curro”, António Telles Bastos

2º. Rui Fernandes - toiro nº 517, 626 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: João Santos, Marco Sabino

3º. Filipe Gonçalves - toiro nº 663, 620 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: Cláudio Miguel, João Bretes

4º. Joaquim Brito Paes - novilho nº 29, 380 kg, ganadaria Paulo Caetano
Quadrilha: Luis Brito Paes, João Mourão

5º. António Telles - toiro nº 523, 540 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: João Ribeiro “Curro”, António Telles Bastos

6º. Rui Fernandes - toiro nº 528, 530 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: João Santos, Marco Sabino

7º. Filipe Gonçalves - toiro nº 526, 618 kg, ganadaria Veiga Teixeira
Quadrilha: Cláudio Miguel, João Bretes

Sobreros:
1º - nº 524, 525 kg, ganadaria Veiga Teixeira
2º - nº 534, 455 kg, ganadaria Veiga Teixeira

Director:
Tiago Tavares
Veterinário: Hugo Rosa
Compartilhar:

Tauromaquia de Luto por José Pinto (Forcado Fundador do G.F.A. de Alcochete)

Foto de Forcados Amadores de Alcochete.O Grupo Forcados Amadores de Alcochete publicou à minutos  na sua página de “Facebook”  que hoje dia 14 de Setembro de 2017 faleceu o ex-forcado José Pinto vítima de doença prolongada, José Pinto foi um dos fundadores do Grupo.
A equipa do “Pátio de Quadrilhas” endereça as mais sinceras e sentidas condolências a toda a família, amigos e Grupo.
Que descanse em Paz!

“Infelizmente mais um dos nossos partiu. José Pinto, fundador do Grupo de Forcados Amadores de Alcochete faleceu hoje vitima de doença prolongada. Irmão de outros dois fundadores, Manuel e António José Pinto, e do ex forcado, também já falecido, Jorge Pinto.
José Pinto estacou-se essencialmente como primeira ajuda, tendo inclusive feito parte de uma selecção de forcados que marcou presença em Macau e na Indonésia.
Que descanse em paz!”

Compartilhar:
Proxima Inicio
Scroll To Top